Pequeno Desabafo #2

Sinto sempre uma pequena (é mentira, é mesmo grande) irritação quando as pessoas põe a bandeira nacional ao contrário. Como é possível crescer com esse símbolo a vida toda e mesmo assim não sabem colocar a bandeira corretamente?

Para quem ainda está na dúvida: o verde é para a esquerda e o vermelho fica sempre do lado direito.
Também já vi uma que para além de ter as cores ao contrário também estava de pernas para o ar (faltam-me as palavras para comentar esse caso).

Bandeira de Portugal - Baixar em PNG no Bandeira.net

Projetos de casa faça você mesmo para iniciantes

Desde que tenho casa virei aquela pessoa que tem constantemente um projeto para melhorar qualquer coisa. Nunca fui pessoa destas coisas, na casa dos meus pais nunca fiz nada e por isso inicialmente sentia que tinha de contratar alguém (ou chamar o pai) para conseguir fazer alguma coisa. Com o passar do tempo fui perdendo o medo, e percebi que há determinadas coisas que mesmo sem experiência ou jeito algum, qualquer mortal consegue fazer.

Mudar Tomadas e Interruptores
Quando nos mudamos para esta casa, mudamos todas as tomadas e interruptores primeiro. A casa tem aproximadamente 30 anos e estava tudo de origem e estes para além de serem pequenos e antiquados também já estavam amarelos. Como é algo relativamente barato – compramos packs de 3 tomadas a 5€ aproximadamente (igual com os interruptores) visualmente a casa ficou com um ar mais atual e, dependendo do número de peças a trocar, consegue-se fazer num fim de semana.

Pintar (paredes e móveis)
Isto é daquelas coisas chatas, mas que no fundo não tem dificuldade nenhuma. Para terem uma ideia geral das etapas e dos materiais que precisam podem ver tutoriais no Youtube (sim, fiz isso), e mãos à obra. Se não estiverem para grandes trabalhos podem pintar tudo de uma cor sólida, ou então se forem mais criativos poderão arriscar e fazer designs com stencils ou fita para o efeito. Um recurso que costumo usar cá em casa é a aplicação das tintas Cin: podem virtualmente testar cores nas vossas paredes tendo por base uma fotografia das paredes que querem pintar, também há uma parte na aplicação que poderão consultar para saberem quais são as cores tendência para interiores, e também conseguem identificar uma cor através de uma fotografia.

A mesma coisa se aplica aos móveis. Uma grande parte dos móveis que tenho são do IKEA e por serem baratos não tenho medo de arriscar em modifica-los com tinta, puxadores, etc. Um exemplo: temos a cómoda Malm mas o marido não gosta dela (trouxe de casa dos meus pais quando desfiz o meu quarto de solteira). Como é um móvel que quero manter ultimamente ando a ver ideias no google. Mostrei-lhe alguns dos resultados e agora até está mais receptivo a ficar com o móvel mais uns tempos.

Alguns exemplos aqui, aqui e ideias de transformação da cómoda mencionada aqui.

Lixar e Envernizar
Para as situações em que temos móveis em madeira com um ar um pouco desgastado a solução é simples: comprar lixa, verniz e pincel. Cada vez dou mais valor a móveis de madeira, por isso dar uma “refrescada” é tudo o que é necessário.

Mudar puxadores de móveis
Acho que os puxadores têm um impacto muito grande na estética das peças de mobiliário. Rapidamente um móvel pode passar de tradicional a moderno. Há puxadores em imensos sítios (Zara Home, Leroy Merlin, etc.) e há preços para todos os gostos. Eu normalmente compro os meus no Aliexpress (comprei um conjunto de 6 por 2.79€ já com os portes incluídos e são de ótima qualidade).

Pequeno desabafo #1

Vamos a uma loja e gostamos de um artigo. No item em si, ou no sítio onde esse artigo se encontra está também o preço (não quero estar a enganar ninguém, mas penso que por lei é obrigatório os artigos terem sempre o preço exposto).

No Instagram ou Facebook, há lojas que partilham os artigos que têm para venda mas não colocam o preço, dando essa informação apenas por mensagem privada.

https://www.instagram.com/p/BI4uy0OA-Jp/
Imagem retirada do Instagram do link https://www.instagram.com/p/BI4uy0OA-Jp/

Não percebo a lógica. Imaginem andarem nas compras e terem de andar sempre atrás do repositor para saberem o preço de todos os artigos antes de os colocarem no carrinho.
Para além disso, há todo o trabalho e o tempo que se perde a responder a mesma coisa a N mensagens, quando parte das pessoas não tem interesse no artigo assim que sabe o valor – ou seja, foi literalmente tempo perdido, pois o investimento daquele recurso – tempo – não se vai traduzir numa venda.

Desse lado, alguém sabe o porquê disto?

Uma breve explicação

Para quem segue o blogue sabe que desde Novembro tenho garantido uma publicação todas as segundas-feiras. Durante o ano passado devido à pandemia consegui ter um ano mais tranquilo. Tive um ano em que consegui tomar o pulso em muita coisa que sentia que se estava a escapar por entre os dedos. Apesar de tudo o que aconteceu de negativo no mundo (uma pandemia, muitas mortes, muita desgraça, etc), o saldo de 2020 foi positivo. 2021 começou com a mesma energia de 2020 (talvez devido à vaga do início do ano), mas em Abril, por motivos profissionais, a minha vida começou a ficar mais complexa. Estou numa fase em que estou com imenso trabalho, não tenho tempo para nada, qualquer evento a nível pessoal por mais pequeno que seja implica uma organização tremenda para não faltar com o trabalho. Amo sentir-me produtiva, apesar de cansada estou a adorar, mas a verdade é que só tenho tempo para trabalhar. Quando termino o trabalho por volta das 22h (quando já comecei a trabalhar às 06h30) só consigo tomar banho e ir para a cama. Não tenho tempo nem inspiração (se há alguém que consiga ter criatividade quando está de rastos que avise) para vir aqui com a frequência que outros tempos.

Algumas das publicações que estão a sair já estavam escritas e agendadas. Quando conseguir encontrar tempo vou tentar encaixar outros no meio, como este que estou a escrever só para dar uma explicação, porque sinto que o merecem. Penso que esta fase deverá durar mais uns meses (2? 3? Não sei). Assim que consiga ter um tempo e sinta que tenho as minhas energias restabelecidas (não sei quando vai ser pois não vou ter férias este verão), prometo que este vai ser o primeiro campo da minha vida a ter a minha atenção (os outros vão tendo alguma manutenção ainda, apesar de a casa nem sempre estar limpa e arrumada, ter dias que mal tenho tempo para falar com o marido, há dias em que consigo repor o que está atrasado). Este canto é que acaba sempre para ficar para o fim, e quando chega a vez dele estou muito cansada e vou dormir.

Aproveitem o verão (apesar que estou a escrever isto em Agosto e aqui no Porto está a chover), aproveitem as férias – quem tiver disso – para fazerem o que gostam. Descansem, é certo, mas não desperdicem o tempo. Aproveitem muito!

Desejos de consumo

Penso que todos nós temos uma lista de coisas que queremos mas que acabam por ser extravagantes, porque na verdade não precisamos daqueles itens. Queremos porque sim, e talvez um dia percamos a cabeça e acabamos com essas coisas em casa.
Hoje partilho convosco a minha lista de coisas que quero mas que não preciso (mas que eventualmente um dia vou partilhar aqui que os comprei).

Nintendo Switch

Consola Nintendo Switch - Animal Crossing: New Horizons
Pack Consola Nintendo Switch com o jogo Animal Crossing

Durante a primeira quarentena do ano passado toda a gente falava desta consola e do jogo Animal Crossing, de como este era viciante. Se nesta fase da vida a minha prioridade não fosse fazer obras em casa certamente teria cedido e teria comprado o raio do pack. O bichinho continua cá, mas acho um desperdício comprar uma consola só para jogar um jogo. Estive a ver o catálogo da Nintendo Switch e não têm mais jogos que despertem a minha curiosidade.

Apple Watch

Apple Watch Series 3
Apple Watch


Já mencionei aqui que atualmente tenho a pulseira da Huawei, pois os últimos telemóveis que tenho comprado são Android (já tive Iphone mas para o uso que lhe dava – Instagram, chat para falar com a família e amigos e pouco mais – sentia que era um equipamento que era caro, pois eu não usava no seu potencial máximo. O que me faz um dia voltar a ter um telefone da Apple é o Apple Watch. Não é bonito, mas a smartband que uso atualmente também não é, e se tenho que usar um equipamento feio então que seja aquele que tem mais funções, que neste caso é do da Apple.

Despertador solar

Despertador Solar


Eu uso o despertador do telemóvel e este sempre cumpriu o objetivo, mas de há uns anos para cá que ando a namorar a ideia de ter um despertador solar. Já ouvi imensos benefícios, mas mesmo assim custa-me comprar algo que na verdade não preciso.

Câmara fotográfica

Câmara Fotográfica


Todos os anos começam com o desejo de tirar mais fotografias. Tenho andado a imprimir as que tenho e sinto que há “buracos” de tempo nos albuns porque no momento estou ali com as pessoas e esqueço-me de o registar para memória futura. Então, se com o telemóvel sempre presente tiro umas 5 fotografias por ano, porque raio preciso de uma câmara fotográfica? Não preciso, mas quero. Ainda não comprei porque as câmaras que gosto custam à volta de 600€ (é tudo à grande), e é um equipamento que daqui a 5 anos já está ultrapassado e nesse tempo devo ter tirado um total de 30 fotos. Assim, vou continuar a ser fiel ao meu telemóvel.

Objetivos 2021 – Resumo 1º semestre

Engravidar
Ainda não começamos este capítulo por motivos profissionais. Vamos ver se isto se mantém como algo a conseguir ainda este ano.

Terminar 10 produtos de beleza
. 1 Creme de Corpo – terminei 2
. 1 Creme de Rosto- terminei 1
. 1 Shampoo Seco – estou quase a acabar
. 3 vernizes – terminei 2
. 1 gloss; – terminei 1
. 1 batom hidratante – terminei 2
. 1 batom de cor. – terminei 1.

Desta lista terminei 9 produtos, mas no total já levei até ao fim 14. Quero ainda terminar mais 1 batom de cor, um hidratante de corpo e um hidratante de rosto.

Ler 12 livros
Por motivos profissionais não tenho muito tempo livre, então este ano ainda só li 2 livros e estou a começar outro. Acho que este objetivo vai derrapar este ano, mas ainda não desisti. Pode ser que as coisas ainda mudem.

Terminar de arrancar os dentes do siso
Feito! Uma das extrações teve uma recuperação um pouco difícil, mas já fechei este capítulo!

Passar um fim de semana num sítio novo
Até agora ainda não tive oportunidade, mas estou a contar que a partir de Setembro/Outubro consiga ter um alívio na agenda profissional que permita passar um fim de semana fora.

Fazer uma formação de reciclagem de conhecimentos
Feito! Já fiz uma e gostava de fazer outra até ao final do ano.

Corrigir tons das bases
Ainda não está feito e estou a considerar se nas bases mais antigas ainda vale a pena fazer isto ou substitui-las por novas na cor correta.

Sobre a Faculdade

Há uns dias numa conversa com amigos fique em choque quando um deles mencionou que já tínhamos acabado o curso há 12 anos. O tempo passa rápido, mas depois de começar a trabalhar então é que passa mesmo a correr.
Este “choque” fez-me pensar na experiência que tive, e o que se segue é um breve resumo

O curso foi importante para a minha vida profissional
Até agora só tive trabalhos para os quais precisei do curso que tenho. Sem este não teria tido acesso às oportunidades que tive.

Gostei da experiência
Foi fácil? Não, mas no geral gostei de ter tido essa experiência. Foi bom a nível das aprendizagens que tive fora e dentro da faculdade e das amizades que criei ali.

O descanso é importante
Como andava sempre cansada sentia muita dificuldade em estar concentrada nas aulas e a estudar para as avaliações. Penso que ao longo do curso adormeci umas 3 vezes em sala de aula (sei que não é bonito assumir estas coisas, mas aqui partilho na base da sinceridade). A dificuldade da vida de estudante é que não há fins de semana. Há sempre um trabalho para fazer, um teste para o qual estudar, e no meio disto tudo também queremos estar com a família, com os amigos e ter os nossos momentos de ócio, e alguma coisa acaba por ter de ceder: o número de horas dormidas. Para quem está nessa fase, não descurem o descanso.

As amizades foram boas
Não são aquele tipo de amigos com quem falo todos os dias, contudo penso que serão para a vida. Fomos aos casamentos uns dos outros e agora (antes do Covid) começamos a rodada dos batizados.

Não gostei da praxe
Quanto maiores são as nossas expectativas em relação a algo, maior é a desilusão. Achei que ia ser muito ativa, mas depois de me inscrever na praxe não me identifiquei com aquilo e então acabei por ir muito poucas vezes.

Nunca precisei dos apontamentos que tirei durante o curso
Durante a licenciatura tive professores às várias cadeiras que foram informando que não deveríamos deitar fora os apontamentos que tínhamos, pois quando começássemos a trabalhar estes iriam servir de referência. Conclusão: tinha tudo direitinho, separado por capas pronto para ser usado. Ao fim de 5 anos com aquilo a ocupar espaço na casa dos meus pais ganhei coragem e pus tudo para reciclar. Nunca usei os mesmos porque na eventualidade de ter alguma dúvida faço uma pesquisa nesse momento no google. Não vou esperar pelo fim do dia ou pelo fim de semana para ir consultar apontamentos que já têm anos, contudo, sentir que preciso de fazer alguma consultar, é uma situação muito, muito rara.

Ferramentas que ajudam a nossa saúde mental

Não sou médica nem psicóloga, nem algo remotamente perto. Sou alguém que também tem as suas fases e que ao longo do tempo conseguiu aprender como gerir melhor estas ondas de sentimentos que por vezes nos desequilibram e quase nos derrubam.
Hoje deixo aqui algumas coisas que funcionam comigo. Não são ideias novas, não estou aqui a reinventar a roda. Basicamente estou a relembrar que há mecanismos acessíveis aos quais podemos recorrer para tentar gerir melhor os momentos em que não nos sentimos tão bem.

Exercício Físico
Este pode ser posto em prática das mais variadas maneiras. Eu não gosto de desporto. Não gosto de ginásio e a altura em que fiz mais exercício físico foi quando um grupo de colegas se juntou e pagávamos a um PT para nos dar aulas. Era a única forma. Tinha de ter ali alguém a obrigar-me a fazer exercício, caso contrário, da minha vontade e iniciativa tal coisa nunca aconteceria. Contudo mexer o corpo é importante não só para a saúde mental mas também para a saúde física. O que aprendi ao longo do tempo é que o exercício físico é algo muito abrangente, logo há sempre uma coisa que gostamos de fazer, temos é de descobrir essa coisa. Eu gosto de 3 coisas: yoga, caminha e dança. Não me obrigo a horários nem a mais um encargo financeiro: faço quando quero, sem sentir que aquilo é mais uma obrigação que tenho que cumprir, com a vantagem de as 3 serem gratuitas. No caso do yoga há imensos vídeos no Youtube, basta perdermos um pouco de tempo a procurar vídeos para iniciantes.

Diário
Este aqui também é economicamente acessível a toda a gente. Basta uma caneta e um caderno. Quando sentirem que precisam de desabafar basta começarem a escrever. Caso fiquem ansiosos por sentirem que não têm o que escrever, procurem ideias no google ou no Pinterest. Deixo aqui um exemplo do que podem procurar no Pinterest.

Dormir
Estarmos descansados é extremamente importante. Quando estou uma temporada sem dormir bem, ando mais frustrada, irritada, com pensamentos negativos a aumentar de intensidade e por vezes acabo por criar problemas que não teria se tivesse tido calma e ponderação (que não consigo ter porque, como mencionei acima fico irritada e de fusível curto quando não durmo). Dormir é gratuito. Criem as condições ideais para descansarem bem e quando tiverem umas horas a mais aproveitem.

Hobby
Da minha experiência este tem dois pontos positivos: não só faz com que a nossa cabeça esteja num universo à parte, pois estamos focados em algo, como também acabamos sempre por adquirir novos conhecimentos relacionados com o passatempo em questão.

Terapia
Acho que uma coisa boa que a pandemia trouxe foi o facilitar o acesso a um psicólogo por vídeo chamada. Acho que a parte presencial é importante, mas assim podemos sempre sentir que temos um acesso a ajuda quando precisamos dela. A nível de custo, pelo que vejo na internet as consultas online rondam os 35€ por hora aproximadamente, enquanto as consultas presenciais rondam os 50€.

Que outras ferramentas conhecem que possam ajudar a melhorar a nossa saúde mental? Deixem nos comentários.