Não é difícil tomar decisões. O difícil é executa-las.

Pensar naquilo que queremos é fácil, provavelmente até o fazemos todos os dias. Dar os passos que precisamos para ficarmos perto disso é mais complicado, mesmo que na meta esteja algo que queremos muito.

Estou neste emprego há dois anos. Gosto muito do trabalho que faço, e gosto muito das minhas colegas, mas estou muito cansada das condições. Atingi o meu limite em Maio de 2018. Nessa altura disse para mim mesma que me iria despedir em Agosto. Agosto passou, e então iria despedir-me em Novembro. Novembro passou e nada.

No final de Outubro tive de ir ao médico. Comecei a detetar umas particularidades de saúde que em 30anos (+/-) nunca tinha tido, e decidi que apesar de não ser nada de grave tinha de ver um especialista. Vou ao médico e venho com um diagnóstico: stress. Aquilo pelo qual estava a passar era uma reacção do corpo à pressão que estava a sentir no meu emprego. Apesar de ter trabalhado sempre com pressão agora o corpo estava a reagir de uma forma um pouco atípica, e no natal o diagnóstico confirmou-se: duas semanas e meia de férias e não tive sintoma algum. Ao fim da primeira semana de regresso ao trabalho voltou tudo ao mesmo.

Se já queria vir embora, isto reforçou ainda mais a minha vontade. Fazer o que se gosta, e ter uma equipa de quem se gosta muito afinal não é tudo. Apesar da pressão, das coisas que diz, de sentir que exige o impossível com o tempo e condições que dá, gosto da minha chefia, e isto só me prejudica. Sei que vai ser difícil encontrar alguém que me substitua (e que aceite fazer o que eu faço pelo salário que me paga), e isso fez com que só em Janeiro deste ano informasse a empresa de que iria sair. Demorei 8 meses a executar uma decisão que já tinha sido tomada. A última semana foi para ganhar coragem e preparar o que iria dizer. Quando digo que não foi fácil para mim despedir-me, não foi mesmo, mas tudo correu bem. A chefe acatou bem (percebi por outra colega que ela acredita que eu ainda vou mudar de ideias) e agora voltei a estar entusiasmada com as possibilidades que tenho pela frente.

Em Março saio da empresa (decidi dar um aviso um pouco superior para toda a gente ter tempo para se organizar), e o meu objectivo é ter um mês para descansar e pensar que caminho quero seguir a nível profissional.